terça-feira, 20 de março de 2012

Distorção de Palavras.


Eu pesquisando  sobre reabilitação e instituições, cheguei a Associação Norte Paranaense de reabilitação, com sede em Maringá, Paraná, fundada em 1963.
A instituição, me parece, nunca estive lá... desenvolver e oferecer um ótimo trabalho em reabilitação e educação, a portadores de necessidades especiais.
Mas visitando a página desta instituição indignou-me, eles prestam tratamento para ¨crianças defeituosas¨, diria que no mínimo isso é uma tremenda grosseria ou ignorância, como pode um deficiente físico ser tratado como defeituoso...objetos têm defeitos.
Sempre pensei que defeito é para coisas inanimadas, o carro está com defeito, a TV, agora usar a palavra defeituoso para seres humanos, é um tanto insensível...se está escrito, o trato com as pessoas deve ser o mesmo...
Imagina o problema psicológico que deve gerar em uma criança, ser tratada como defeituosa, deve também gerar constrangimento e problemas para os pais...ter um filho, dito... defeituoso.
Outra coisa que achei bem estranho,  a instituição realiza um tradicional evento ¨Churrasco Macho¨, só para homens...deve ser tradicional mesmo....sinto uma retórica séc XIX...
O  link para esta instituição é http://www.anpr.com.br/
E você, o que acha?
Alguém deficiente físico ou cognitivo, está defeituoso?
Para mim e para toda a sociedade é importante a expressão de sua opinião, deixe seu comentário no Recuperação e Arte.
Obrigado,  abraço a todos.

3 comentários:

  1. Crianças defeituosas é uma expressão no mínimo infeliz. Seres humanos não são equipamentos para apresentarem defeito, em minha visão do mundo. Lamentável!

    ResponderExcluir
  2. Ponha infeliz nisso...tratando criancas como objetos, seres humanos têm sentimentos...
    Eu acho um termo preconceituoso, logo o que está com defeito, está quebrado..
    Estando quebrado, o indivíduo está fora...o nome disso é exclusão.

    ResponderExcluir
  3. Total absurdo uma instituição tratar crianças como defeituosas, quem provavelmente tem defeito são as pessoas que intitulam essas crianças dessa maneira.
    Defeito no caráter, pior não há!

    ResponderExcluir